quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

OUTROS CARNAVAIS: Lança-perfume e nudez sofreram proibições nos anos 1960 e 1980

Imagem relacionada
Engana-se quem pensa que no Carnaval pode tudo.
Prova disso são dois ícones de uma das maiores festas populares do Brasil: o lança-perfume e a nudez, que sofreram proibições.
Até 1961, serpentinas e confetes tinham o lança-perfume como companheiro inseparável. Fazia parte da bagunça dos foliões lançar esses os dois primeiros itens uns nos outros e expirar o líquido perfumado e gelado nas pernas das moças. Tudo era uma grande festa.
O lança-perfume era visto como mero instrumento de diversã. Antes de sua proibição, era comum ver grandes anúncios nas páginas dos jornais vendendo o produto.
Ao longo dos anos, porém, a brincadeira saiu dos trilhos. Os frascos começaram a serem inalados por usuários, o que transformou o item em uma espécie de “droga do carnaval”.
Em 1961, o então presidente Jânio Quadros proibiu a venda e utilização do lança-perfume, mas até hoje é possível encontrar pessoas usando-o durante a folia, em misturas com outros tipos de drogas e substâncias de uso industrial.
Já a proibição da nudez, seja masculina, seja feminina, teve um ícone, a modelo Enoli Lara.
Em 15 de fevereiro de 1988, no Rio, ela desfilou inteiramente nua pela escola União da Ilha. Pintada de vermelho e preto, a passista entrou para a história como o primeiro nu frontal da passarela do samba. “Vim para mostrar que não é só o primeiro bumbum mais bonito do Brasil que eu tenho. O resto também é ótimo”, afirmou.
No final daquele desfile, porém, a pintura da musa estava quase toda desfeita, enquanto as mãos dos integrantes da escola ficaram cheias de tinta.
Em 1989, também pela União da Ilha, com o enredo “Festa Profana”, Eloni Lara foi a grande responsável pela proibição da “genitália desnuda” no carnaval do Rio quando desfilou apenas com um véu de noiva cobrindo o corpo.
A proibição em relação a corpos nus, instituída em 1990 pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), gerou protesto por parte do carnavalesco da Beija Flor, Joãozinho Trinta, que naquele ano, com o enredo “Todo mundo nasceu nu” conquistou o segundo lugar para sua agremiação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário